EMOCIONAL

Texting on Mobile Phone

Grupo de Passos ajuda

a enfrentar pandemia

Texto: Keuly Vianney

n.noticiar@gmail.com

11/05/2021

whats-logo.png

Sente solidão? Tristeza? Angústia? Medo? Você ou alguém da sua família estão com fome? Estes e outros problemas emocionais têm sido abrandados por um grupo de Passos, que vem dando assistência a quem enfrenta dificuldades por conta da pandemia. O trabalho voluntário e remoto também já ajudou pessoas em São Sebastião do Paraíso, São Paulo e outras cidades.

A iniciativa de criar o grupo foi do terapeuta Marcos Esper, mestre em Ciências da Saúde pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Ele tinha o desejo de reunir pessoas com vontade de ajudar a comunidade de maneira geral devido ao desgaste emocional gerado pela pandemia.

Quase um ano depois e seis pessoas no grupo, o terapeuta faz um balanço do voluntariado.  “Várias cidades têm sido alcançadas e pessoas em diferentes situações pedem algum tipo de apoio, seja emocional ou ajuda com alimentação ou mesmo financeira”, conta Marcos. “Já aconteceu de algumas pedirem para ligar e conversar por alguns instantes. Normalmente, estão temerosas em relação ao futuro e de  medo da infecção. Emocionalmente, o que há de mais comum é a solidão e o medo. Portanto, uma mensagem de bom dia pode deixar o dia a dia dessa pessoa mais leve”.

 

Na maioria das vezes, o atendimento é via Whatsapp e há divulgação nas redes sociais. O grupo, no entanto, não possui dados de quantas pessoas já foram assistidas. “Não temos esse controle, porque às vezes a pessoa manda apenas uma mensagem sem dizer seu nome ou cidade. Assim, respeitamos o desejo da pessoa em manter-se no anonimato”, diz o terapeuta.

Num dos casos atendidos, a pessoa queria falar sobre as dificuldades no casamento por exigências do isolamento social. Em outro, foi solicitada ajuda financeira para mantimentos do dia a dia, como arroz e feijão.

 

Entre os voluntários do grupo, estão enfermeiro, terapeuta, dentista e estudantes. A cada solicitação, eles trocam mensagens e tentam resolver a demanda e quando não conseguem, encaminham o pedido para outras pessoas que podem ajudar. “Uma pessoa nos pediu moradia. Não conseguimos ainda, mas encaminhei a uma pessoa que possa nos ajudar nesse sentido”, afirma Marcos.

E o grupo aceita novos voluntários, avisando que todos profissionais são bem-vindos. “No grupo, temos variados profissionais que sempre levam uma mensagem de ânimo e continuidade da vida. É importante salientar que o apoio emocional não significa um tratamento psicológico, mas mensagens de afeto, carinho e atenção”, explica o terapeuta.

 

Caso tenha interesse de participar ou procurar ajuda, é só entrar em contato pelo whattsapp (35) 9 9915-6667.

VEJA MAIS