TURISMO

Fotos: Divulgação Secult-MG

IGREJA_SAO_FRANCISCO_DE_ASSIS_-_OURO_PRETO_-_Crédito_Acervo_Setur_-_Xará.jpg

2022 é considerado ano da Mineiridade

Reportagem e edição: Keuly Vianney

n.noticiar@gmail.com

02/01/2022

whats-logo.png

Os números de MG

6 milhões de pessoas visitaram Minas de maio até dezembro de 2021. Só em agosto deste ano, foram 2 milhões de viajantes circulando pelo Estado conforme relatório do Observatório do Turismo de Minas Gerais

670 mil turistas passaram pelo Aeroporto Internacional de BH, 100 mil a mais na comparação com agosto de 2109, período pré-pandemia, quando ali circularam 570 mil pessoas

12 mil novas vagas de emprego no turismo foram geradas a partir de junho, resultado da recuperação do setor no Estado. O programa Reviva Turismo colocou como meta o aumento de 100 mil empregos na área em 15 meses

R$ 3,78 bilhões já foram injetados na economia mineira, em três meses, por visitantes que procuram os destinos e atrações turísticas do Estado

Minas se destacou na mídia internacional ao ser considerado um dos 10 destinos mais acolhedores do mundo, conforme o ranking global da premiação Travellers Review Awards 2021, da plataforma de reservas online Booking.com

Essa mesma premiação da Booking.com aponta que Minas Gerais abriga três das 10 regiões mais acolhedoras do Brasil em 2021: Monte Verde, no Sul de Minas, apareceu em segundo lugar, enquanto Lavras Novas, distrito de Ouro Preto ocupou a sétima posição, e a Serra do Cipó faturou o 10º lugar na lista

Fonte: Secult-MG

Que Minas Gerais é um dos mais belos Estados brasileiros, não há dúvidas. Afinal, quem conhece as terras mineiras, não se esquece jamais, como diria a música popular escrita por José Duduca de Moraes em 1942. No entanto, o governo mineiro instituiu que 2022 será o ano da Mineiridade devido às conquistas do turismo estadual em prêmios internacionais, pesquisas de plataformas do setor turístico e o maior fluxo de visitantes nos seus principais destinos, incluindo o Sul de Minas, as cidades históricas e a capital Belo Horizonte. Soma-se a isso a gastronomia mineira, a qual vem conquistando paladares no mundo inteiro, como no caso do premiado queijo Canastra em concursos na França.

Para consolidar o Ano da Mineiridade, a Secretaria de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) lançou o programa Reviva Turismo, apostando na promoção do Estado e seguindo os protocolos de biossegurança após os sinais de retomada gradual do setor de turismo com o avanço da vacinação contra a Covid-19 no Brasil. Isso alçou Minas para um destinos mais procurados do país, atraindo mais de 6 milhões de visitantes em 2021.

Cânions, cachoeiras e lindas paisagens formam o Mar de Minas / Foto: Divulgação 

Canyons.jpg

Apoiada no tripé história, contemporaneidade e cozinha mineira, a Secult pretende continuar chamando atenção em 2022 e atrair mais turistas, interessados na diversidade que as terras mineiras oferecem. Uma delas está bem próxima dos moradores do Sul de minas, um patrimônio de belezas naturais formado pelo Mar de Minas, a Serra da Canastra, cânions e cachoeiras lindíssimas.

 A grande maioria destes atrativos fica em cidades pequenas entorno do Rio Grande e onde se forma o Lago de Furnas, com destaque para Capitólio, São João Batista do Glória, Delfinópolis, São Roque de Minas e São José da Barra. Além delas, destacam-se as águas termais e minerais de Poços de Caldas, Caxambu, São Lourenço e Araxá, o chamado Circuito das Águas.

Não é à toa que a Secult e o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG) anunciaram em setembro passado, em Capitólio, o início do processo de tombamento do Lago de Furnas e do Lago de Peixoto, visando proteger áreas, garantir atividades turísticas e estimular geração de emprego e renda.

Ainda na linha do ecoturismo, as montanhas de Minas ganham destaque pelos caminhos percorridos e as belas vistas proporcionadas para quem chega no topo das serras, como a do Cipó, e de picos, como o da Bandeira.

ALTO_CARAPAÓ_-_Pico_da_Bandeira_-_Foto_Gabriel_Vallim.jpg

Turista admira vista do Pico da Bandeira, no Alto do Caparaó / Foto: Gabriel Vallim – Secult-MG

Divulgação

Patrimônio

Em 2021, Minas Gerais comemorou 320 anos fundação e deu o pontapé para se consolidar como um dos Estados mais ricos em tradição, cultura e bens históricos.

Para quem prefere arte e cultura, Minas é um Estado de grande riqueza, pois concentra 62% do patrimônio histórico brasileiro dividido em 26 cidades barrocas. Ouro Preto, Diamantina e Congonhas do Campo, onde estão várias obras do artista Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho (1783-1814), detêm o título de Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unida para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

IGREJA_SAO_FRANCISCO_DE_ASSIS_-_OURO_PRETO_-_Crédito_Acervo_Setur_-_Xará.jpg

Vista da Igreja São Francisco de Assis, em Ouro Preto, reconhecida como patrimônio mundial

OS_PROFETAS_-_CONGONHAS_-_SANTUÁRIO_BOM_JESUS_DO_MATOSINHOS_-_Crédito_Acervo_Setur_MG_-_Xa

Os profetas de Aleijadinho no Santuário Bom Jesus dos Matosinhos, em Congonhas do Campo

Já a capital Belo Horizonte é considerada a primeira cidade moderna planejada da América Latina no final do século 19. Na década de 1940, a cidade modernizou-se ainda mais com projeto do então arrojado prefeito Juscelino Kubitschek (1902-1976) e executado por um dos principais arquitetos do Brasil, Oscar Niemeyer (1907-2012), que deixou sua marca em 32 construções no Estado.

 

Dentre os mais conhecidos, estão o Complexo da Pampulha, que ainda congrega o paisagismo de Burle Marx (1909-1994) e a Capela de São Francisco de Assis com desenhos de Candido Portinari (1903-1962). Em 2016, a obra ganhou o título de Patrimônio Cultural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Divulgação

A capital belohorizontina também é conhecida pela sua vida noturna, bares, botecos, cervejarias artesanais e atrações vizinhas, como o Instituto Inhotim, museu a céu aberto sediado em Brumadinho com rico acervo de obras contemporâneas de vários artistas brasileiros e internacionais num grande espaço remanescente da Mata Atlântica e Cerrado.

 

Devido à pandemia, Inhotim ficou fechado em alguns momentos como muitos dos espaços culturais do mundo, mas agora está aberto à visitação normalmente a partir de 2 de janeiro, depois do recesso do final de ano.

Gastronomia mineira

Uma das principais atrações mineiras é a sua cozinha. Cheia de tradições de sabores únicos, como o frango caipira, queijos, doces, bolos e biscoitos. Nos últimos anos, esse paladar vem ultrapassando as fronteiras brasileiras, conquistando também o mundo.

O maior reconhecimento, talvez, sejam as medalhas conquistadas nos concursos internacionais na França, como o “Mondial du Fromage et des Produits Laitiers”, que elevou os queijos artesanais de Minas a um outro patamar na culinária mundial, principalmente o queijo Canastra.

Queijo Canastra vem ganhando reconhecimento internacional / Foto: Divulgação Queijo do Serjão

IMG-20210914-WA0032.jpg

No concurso de 2021, os queijeiros de Minas ganharam 40 medalhas do total de 57 garantidas pelo Brasil. O Estado ainda garantiu quatro das cinco medalhas Super Ouro, as mais cobiçadas, sendo duas delas para o Canastra de casca florida (leia mais nesta reportagem).

Além da vitória dos queijos, Minas é conhecida como a terra do café, sendo o maior produtor do Brasil com 54% da safra nacional e o maior exportador do mundo, de acordo com dados do Observatório do Café, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). No Estado, são 463 municípios produtores do grão em uma área cultivada superior a 1 milhão de hectares, como informa o mapeamento do parque cafeeiro mineiro de 2018.


Outro produto que desponta na gastronomia são os azeites mineiros, com premiação no Brazil International Olive Oil Competition 2021, concurso que reuniu países da Europa e das Américas do Sul e do Norte, com representantes de Baependi, Serra da Mantiqueira e Andrelândia.

No início de dezembro, a Secult, o Iepha-MG e o Instituto Periférico começaram o processo de reconhecimento da cozinha mineira como patrimônio cultural de Minas Gerais, por meio de sua cadeia produtiva e afetividade cultural.  O governo espera finalizar o processo até o final de 2022, criando registros e o Inventário da Cozinha Mineira, composto por um dossiê e por ações de salvaguarda e proteção da gastronomia de Minas.

comida_mineira_torresmo_tropeiro_couve_feijão_panela_de_pedra_ovo_fogão_a_lenha_culinária_

Clássico da comida mineira no fogão à lenha: feijão tropeiro, torresmo, couve e ovo frito 

Internacionalização de Minas começa por Portugal

Uma outra proposta da Secult em 2022 é consolidar a internacionalização de Minas Gerais. O primeiro passo já foi dado em 2021 com a abertura de uma representação em Portugal, transformando Minas no primeiro Estado brasileiro a ter este tipo de ação no exterior. A estratégia integra a campanha “Minas para o Mundo”, mais uma ação do Programa Reviva Turismo.

O ponto de partida para promover o destino Minas Gerais em terras estrangeiras começa com o projeto Via Liberdade, rota turística e cultural que irá se estender pela BR-040, ligando as belezas, as histórias, a cultura e a arte de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Goiás e Distrito Federal. Além de comemorar o bicentenário de independência do Brasil, o projeto celebra os 100 anos da Semana de Arte Moderna, em 2022.

A intenção é levar a cozinha mineira para o mundo promovendo, num primeiro momento, a culinária das Minas Gerais na Europa e nas Américas, para, depois, ganhar contornos para o restante do mundo, como divulgou a Secult.

VEJA MAIS