ESPECIAIS

#fiqueemcasa e movimente-se dançando

Reportagem e edição: Keuly Vianney

WebDesign: Hanna Teixeira

24/07/2020

Melhora da imunidade, aliada da saúde mental, estímulo à flexibilidade, agilidade e criatividade. Estes são apenas alguns benefícios da dança, que você pode fazer em casa durante o período de isolamento social e quarentena. O momento não está sendo fácil para ninguém e praticar atividades corporais novas pode minimizar o impacto dessas mudanças dos últimos meses devido à pandemia do novo coronavírus.

São vários estilos de dança para se fazer em casa, tanto de brincadeira como atividade para mexer o corpo. Cientificamente comprovado, a dança melhora os níveis de hormônios ligados à sensação de felicidade e bem-estar, com efeitos terapêuticos que mantêm a saúde física e mental em dia.

E não é só isso: ajuda a queimar calorias, aumenta condicionamento físico e respiratório, proporciona prazer, bom humor, melhora aprendizado, disciplina e, principalmente, a autoestima, necessários para os dias atuais.

“Em tempos de isolamento social, em que tantas pessoas se sentem inseguras e ansiosas, a dança pode ser uma grande aliada na conquista da segurança pessoal, no autocuidado e na valorização de si mesmo, o que evidentemente contribui para evitar doenças emocionais”, afirma a professora de dança do ventre em Passos, no Sul de Minas, Aparecida Fernandes de Oliveira, mais conhecida como Carissa Bellydance.

Há 22 anos, ela estuda e pratica a arte da dança, sendo especialista em dança do ventre desde 2006. Conforme ela, a atividade fica melhor quando realizada em grupo, sendo o momento ideal para a família se envolver, uma vez que as pessoas estão ficando mais em casa. Carissa enviou uma coreografia especialmente para a reportagem (assista vídeo ao lado).

“Aproveitar esses momentos juntos para criar brincadeiras que envolvam a dança, como competições entre os membros e apresentação de coreografias podem gerar momentos inesquecíveis em família, além de trazer os vários benefícios da dança para corpo e mente”, diz a professora.

Uma dica da professora para os pais: o primeiro passo é encontrar um tipo de dança que a criança goste e seja adequada para idade. Ela explica que é importante atentar para a música e no passo que a dança traz, pois a criança depende desses estímulos.

Carissa informa que a dança do ventre pode ser praticada tanto por crianças como adultos, pois ela dá aulas para alunas de 3 a 79 anos. Também não exige tipo físico ideal, nem raça e idade para praticá-la. “A dança do ventre pode e deve ser praticada por crianças, desde que envolva metodologia própria, pois estimula o lado lúdico e de socialização da criança. Para os adultos, ela retarda o envelhecimento e para as mulheres, ainda resgata a sensualidade e a feminilidade”.

A especialista em dança do ventre destaca o uso da tecnologia para estimular a dançar. No caso das crianças, faça vídeos com ela explicando a coreografia para as amiguinhas reproduzirem. No Youtube da Carissa Bellydance há sequências e aulas que podem ser facilmente reproduzidas em casa até por quem nunca dançou.  “É um jeito das crianças brincarem juntas no isolamento e reduzir um pouco a distância. Utilizar apps de videoconferência para dançarem juntas, mas cada uma de sua casa, também funciona”, conta.

Coreografias

Para a dançarina Eugenia Maia, que é de Passos (MG) mas mora no Maranhão e Piauí há 15 anos, a dança é linguagem do corpo pela qual as pessoas colocam e expressam suas emoções. “Isso é profundo e terapêutico. Nesse período de isolamento, a dança torna-se uma grande aliada da saúde mental, além de melhorar a imunidade”, explica.

No Nordeste do Brasil, Eugenia é professora de dança e atua como artista e empreendedora, mantendo um canal no Youtube com dicas de coreografias, principalmente para crianças e adolescentes. Ela ressaltou que quem está em casa pode aproveitar o tempo para fazer brincadeiras e dançar muito, deixando a preguiça de lado (veja vídeo ao lado que Eugenia enviou diretamente para o Noticiar.net).

“A dança ativa os hormônios do prazer, como a dopamina e a serotonina, estimulando nossa criatividade e capacidade de encontrar novas soluções para os desafios da vida”, diz. “Nesse momento, ela é uma companheira que melhora o condicionamento físico e é forte aliada no equilíbrio emocional. Através dela, eliminamos bloqueios emocionais do inconsciente, nos acalmamos e aumentamos nossa energia”, completa.

Eugenia diz que seu trabalho e coreografias são para crianças e para quem tem coração de criança. Por isso, sua principal dica é que os pais incentivem seus filhos a dançarem juntos em casa. “Os pais devem reservar um tempinho de interação saudável e divertido. Isso faz com que nossas múltiplas inteligências sejam ativadas e passemos por esse período de forma mais leve”, avalia.

A dançarina vai transmitir a live Eugenia Maia Live Show no dia 5 de agosto, com uma viagem pelo universo infantil e músicas de várias gerações e coreografias fáceis para todo mundo acompanhar. Você pode obter mais informações clicando aqui.

No Youtube oficial da dançarina, você também acessa vários vídeos para assistir e fazer as coreografias em casa. “Para quem está mais tempo em casa, a dica é que aproveite esse tempo para se cuidar, se conhecer e se amar, procurando deixar a preguiça de lado e se mexer. Faça atividades que te alegre, porque muitas pessoas podem precisar da tua força neste momento”, finaliza.

VEJA MAIS

Lockdown Inteligente

No lockdown inteligente, passense conta como está flexibilização na Holanda

VEJA MAIS

Pandemia em NY

Direto de NY, passense relata vida na pandemia

VEJA MAIS

Mosaico picassiette

Especialista em mosaicos, Cristiane Gasparoto é uma das únicas artistas na região de Passos a desenvolver trabalhos com a técnica do picassiette

VEJA MAIS

Siga-nos!

facebook-logo-button.png
instagram.png

2019-2020  © Copyright Noticiar.net