Divulgação

DEGUSTE

fatias-portuguesas.jpg

200 anos de independência: aprenda 
receita imperial Fatias Portuguesas

Texto: Keuly Vianney

n.noticiar@gmail.com

03/09/2022

whats-logo.png

Com os 200 anos de independência do Brasil, nada mais justo do que apreciar uma receita da época imperial. Após pesquisas, o Noticiar.net encontrou uma sobremesa fácil de fazer e muito apreciada pela família real recém-chegada de Portugal: Fatias à Pompadour, típicas do século 19 e também conhecidas por Fatias Portuguesas. 


O achado foi da historiadora portuguesa Ana Roldão, que lançou um livro sobre a cozinha do Império em 2015 junto com o jornalista Edmundo Barreiros. Ela é pesquisadora de gastronomia dos século 18 e 19 e da arte da mesa, como informa o blog Diário Imperial, o qual divulga informações e curiosidades sobre essa época do Brasil. 

As Fatias à Pompadour são semelhantes à rabanada, sobremesa simples muito elaborada com pão pelos brasileiros no final de ano, mas com um toque português de incluir vinho na receita e pão de brioche. Confira a receita abaixo, divulgada na linguagem da época imperial: 


“Cortado o miolo de pão em bocados redondos ou quadrados, da grossura de dous ou tres dedos, deite-se por um instante de môlho em vinho branco da Madeira, ou em qualquer outro vinho branco; passem-se depois de escorridos, por ovos batidos, frijão-se, e repitão o mesmo duas ou tres vezes, como acima foi dito; depois de fritas, e de boa cor, sirvão-se com calda de vinho do Rheno, e assucar em ponto.N.B. Todas as fatias se podem fazer, molhando-se em água, leite, ou em o liquor que quizerem.”

Pão de Corte

Fatias à Pompadour podem ser feitas com pão comum, caseiro ou brioche

Para quem preferir, pode fazer uma mistura de açúcar e canela para polvilhar em cima das fatias ou ainda incluir frutas, caldas ou geléia. 

apetitereal2_44.jpg

Apetite real
Como bons portugueses, a família real chegou ao Brasil já com seus hábitos gastronômicos, trazendo nos navios suas comidas preferidas. Mas, ao longo do tempo no Brasil, incorporaram no seu cardápio a  riqueza culinária da colônia. 


Pesquisadores já sabem que Dom Pedro I não era chegado a menus requintados, pois gostava mesmo de um bom prato de arroz com feijão, carne e mandioca. Já os outros membros da família real apresentaram um apetite mais diversificado. Veja na reprodução abaixo, publicada no Diário Imperial, o que eles preferiram em suas refeições: 

VEJA MAIS