dicionario.png

Reprodução

DEBATE

"Pequeno Dicionário” desmistifica termos polêmicos do debate político atual 

Da Agência Bori
10/05/2022

whats.png

O que significa “ideologia de gênero” e por que é ruim ser acusado de propagá-la? Um país com mais de 80% de cristãos pode ser “cristofóbico”? E “politicamente correto” sempre foi uma acusação? Essas são algumas perguntas que a publicação “Termos ambíguos do debate político atual: pequeno dicionário que você não sabia que existia” pretende responder. A obra, lançada no último domingo e antecipada pela Bori, foi produzida pelo Observatório de Sexualidade e Política (SPW, em inglês), em parceria com pesquisadores da área de linguística aplicada da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Baixe o livro aqui


A publicação reúne alguns termos mais frequentes no debate político brasileiro, como “patriotismo”, “ideologia” e “racismo reverso”, detalhando os percursos que fizeram com que essas expressões virassem presença quase obrigatória no vocabulário político do Brasil na última década. 

Elaborado ao longo de 2021, o “Pequeno Dicionário” é apresentado em duas versões, com linguagem voltada, respectivamente, para leitores com nível de escolaridade de nível superior e de ensino médio. 
 

Na adaptação da obra para os mais jovens, os autores recorreram a uma ferramenta que calcula de forma automática o grau de facilidade de leitura de um texto. Com ela, foi possível avaliar se as traduções intralinguísticas eram mesmo adequadas para leitoras e leitores de ensino médio.

O objetivo é confrontar a maneira reducionista e simplista com que esses termos foram disseminados e incorporados no vocabulário cotidiano. “Na edição jovem, todos os verbetes ficaram ainda mais curtos e descomplicados. Traduzimos o texto dentro da mesma língua, orientados por metas e públicos diferentes”, diz Janine Pimentel, líder do Núcleo de Estudos da Tradução da UFRJ e professora da Universidade.


De acordo com Sonia Corrêa, ativista e pesquisadora feminista e co-coordenadora do SPW, os termos tratados neste pequeno dicionário foram sendo sorrateiramente absorvidos pelo senso comum desde o final dos anos 1990 e hoje fazem parte do vocabulário político comum e corrente. 


“É como se esses bordões sempre tivessem existido. Ninguém se pergunta de onde vieram, como foram criados e a que se destinam.  Recuperar essas trajetórias foi uma de nossas motivações, porque isso é vital para saber como melhor contestá-los”, diz

Linguagem simples
A produção do “Pequeno Dicionário” envolveu resumir o conteúdo de verbetes que já eram uma síntese de muitas leituras e fontes de pesquisa e, por outro lado, aplicar os critérios de acessibilidade e adequação textual para se chegar a uma linguagem diferente da usual na academia.

 
Independentemente disso, os autores ressaltam que linguagem simples e concisão não significam superficialidade. Segundo eles, os termos são trazidos com profundidade histórica e complexidade conceitual, porém, sem floreios e cacoetes acadêmicos que acabam deixando o texto difícil para não especialistas.

Os verbetes, afirma Sônia Corrêa, não pretendem exaurir os temas, mas oferecem uma discussão sólida, teoricamente embasada, fornecendo subsídios para seu aprofundamento. “Eles podem ser facilmente adaptados para atividades em sala de aula ou servir de roteiro inicial para podcasts, por exemplo. 
 

São verbetes que compõem um todo coeso, mas que também fazem sentido isoladamente, organizados em uma ordem que facilita o entendimento de suas conexões”, ressalta a pesquisadora.

VEJA MAIS