top of page

SAÚDE

Fábio Marchetto / SES-MG

dengue-foto.jpg

24 de fevereiro: Dia D no combate à dengue em MG

Texto: Keuly Vianney
n.noticiar@gmail.com

17/02/2024

whats-logo.png

O combate ao mosquito Aedes aegypti já tem dia marcado nas cidades mineiras: 24 de fevereiro, quando a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) vai coordenar o Dia D de Conscientização e enfrentamento às arborviroses (dengue, chikungunya e zika) em todo Estado. A data foi divulgada ontem pelo governo de Minas, quando foram apresentadas as ações para combater a dengue , que já está com registros alarmantes neste início de 2024. 

 

Conforme a assessoria de imprensa do governo de Minas, todas as 28 Unidades Regionais de Saúde (URS) do Estado já estão confirmadas no movimento Minas Unida no Combate ao Mosquito, incluindo as do Sul de Minas, como Passos. Já aderiram à iniciativa 160 municípios mineiros de todas as regiões, com a realização de mutirões comunitários para eliminar os focos de Aedes aegypti. 

Uma das principais ações de mobilização é orientar e conscientizar a população sobre a responsabilidade diária de manter ambientes limpos e sem água parada. Isso para evitar o aparecimento de focos de proliferação do mosquito. 

 

“Esse é um momento para sensibilizar toda a população e precisamos que todos nos ajudem a disseminar a importância de não deixar entulhos e água parada. É preciso destacar o papel de cada cidadão nesse processo, para que consigamos diminuir os números dessa doença que está nos afligindo muito em 2024”, alertou o secretário Fábio Baccheretti, que lembrou que as prefeituras que ainda não fazem parte do movimento podem procurar sua respectiva URS para isso.

Na prevenção ao mosquito causador da dengue e chikungunya, é fundamental ações coletivas e individuais, principalmente: 
*Evitar locais de acúmulo de água 
*Eliminar criadouros de mosquitos
*Tampar caixas d’água e limpar as calhas
*Usar repelente, incluindo pessoas com sintomas ou já diagnosticadas com dengue ou chikungunya, uma vez que o mosquito pode se infectar ao picá-la e transmitir a doença para outros indivíduos
(leia aqui receitas de repelentes caseiros)

Em caso de sinais e sintomas suspeitos de dengue, chikungunya ou zika, recomenda-se buscar o atendimento médico. As Unidades Básicas de Saúde (UBS) são a porta de entrada para esses pacientes em todo o Estado. Para pesquisar sobre os registros da doença, a SES-MG preparou o Painel de Monitoramento de Casos da Dengue, onde você pode acompanhar dados de evolução das arborviroses em todos os municípios mineiros (acesse aqui).

Hoje, Minas Gerais contabiliza 194 mil casos prováveis de dengue, com 67,5 mil confirmações da doença, 18 mortes e 105 registros de falecimento em investigação. Números bem superiores em comparação ao ano passado. Veja na imagem abaixo os dados de Passos, que também vem detectando alta nos registros da doença:

dengue-passos.jpg

A tendência é de que os casos aumentem ainda mais nas próximas semanas, atingindo seu pico em março. Para o secretário Baccheretti, o aumento de incidência do sorotipo denv2 e o retorno da circulação do sorotipo denv3 são motivos de preocupação, uma vez que a maioria das pessoas está sem imunidade para esses sorotipos, logo uma infecção pode gerar casos mais graves. 

 

“Nossos esforços devem ser concentrados no atendimento qualificado, pois o óbito por dengue é evitável. Na maior parte dos casos, o tratamento é feito com hidratação no tempo certo e por isso estamos investindo cada vez mais na capacitação dos profissionais de saúde para que o tempo de identificação dos casos graves seja agilizado”, reforça.

“Geralmente, o paciente procura atendimento quando está com febre alta, dor no corpo na fase mais aguda, e não é esse o ponto que mais nos preocupa. A conversão do paciente para a dengue hemorrágica acontece a partir do quinto dia dos sintomas, quando a febre cede. Nesse momento, pode ocorrer o choque, com queda de pressão, momento em que é necessário o tratamento com soro na veia e medicamento para aumentar a pressão arterial. É importante garantir que o paciente retorne ao atendimento na UBS após o quinto dia dos sintomas, para que a equipe observe como está sendo a recuperação, garantindo que não haja piora ou sinais de agravamento da dengue”, pontua o  secretário de Saúde de Minas.

bottom of page